Efeitos do açúcar e como diminuir a procura por eles

Por: Danielle Andrade

 
Olá, mamãe, tudo bem com você? Passou bem esses dias?
 
Hoje vim falar de um assunto muito frequente no dia-a-dia, não só no consultório, mas até mesmo nas festas e reuniões de família: o alto consumo de açúcar pelas crianças!

Você sabia que todos nós já nascemos com o paladar preferindo os alimentos doces? Isso porque o líquido amniótico, que passa da mãe para o filho, tem um sabor muito mais adocicado. Sabia também que nós nascemos com uma aversão aos alimentos amargos? Isso porque a maioria dos venenos são amargos e essa aversão é uma forma natural de proteção.
 
Mas, acima de tudo, sabia que quando a mãe tem uma alimentação variada e equilibrada, desde a gestação, as chances de o bebê aceitar melhor os alimentos na fase de introdução alimentar (e também ao longo dos anos) são muito maiores?
 
E sabe por que estou te dizendo tudo isso? Porque as escolhas e preferências alimentares da criança dependem em um primeiro momento apenas da mãe (tendo em vista suas escolhas alimentares durante a gestação e amamentação) e em um segundo momento ainda da mãe e das pessoas próximas à criança (pensando nos alimentos que são ofertados, estimulados e deixados à mostra/altura dos olhos dessa criança).
 
Ou seja, o que eu quero reforçar para você é que as boas escolhas da alimentação do pequeno dependem muito mais de você, o que não quer dizer, de forma alguma, que se em algum momento a criança tem o costume de consumir doces e derivados ela não conseguirá melhorar sua alimentação…é claro que consegue! E outra coisa: nunca é tarde para começar a mudança, pense nisso!
 
Você já parou para pensar nas consequências que o consumo excessivo de açúcar pode trazer à curto, médio e longo prazo na vida da criança (e até mesmo do adulto!)? Poderia passar horas e horas listando, mas falarei as mais frequentes:
 
Aumento da hiperatividade, irritabilidade e ansiedade, diminuição da concentração, baixa saciedade e aumento da fome, aparecimento de cáries e infecções, favorece o ganho de peso excessivo, resistência à insulina, maiores chances de desenvolver diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares, aumento de triglicérides, acúmulo de gordura no fígado e até mesmo alguns tipos de cânceres, diminuição da absorção de cálcio, levando à um desgaste dos ossos e até mesmo à osteoporose.
 
Se o pequeno tem o costume de consumir muito açúcar, (imagino que você tenha ficado preocupada, não é por menos!),  darei algumas dicas de como reduzir este consumo e prevenir toda a família das consequências:
 
* O organismo leva em torno de 3 semanas para se acostumar a um novo paladar, ou seja, você pode reduzir gradativamente a adição de açúcar nos alimentos e até mesmo o consumo de alimentos industrializados. No começo pode parecer ‘estranho’, mas lembre-se sempre do que iremos prevenir com esta atitude;
 
* Dê preferência à fruta, aos sucos naturais (preferencialmente sem adição de açúcar e sem coar) e até mesmo à água, ao invés do refrigerante e do néctar de caixinha;
 
* Crianças menores de 2 anos não precisam consumir bebidas ou alimentos adoçados. Para os maiores, dê preferência, quando necessário e em baixas quantidades, ao mel, açúcar mascavo ou demerara;
 
* Deixe à disposição e à vista outras opções de alimentos, lembrando que dificilmente iremos procurar os alimentos na geladeira e no armário, ou seja, damos preferência ao que está na altura dos olhos e escolhemos o que vemos primeiro;
 
* Verifique a necessidade e a ocasião de consumo, sabe aquela história de que ‘toda regra tem sua exceção’, pois bem, essa é uma máxima verdadeira…mas o que não podemos é deixar a exceção virar regra, ou seja, se haverá uma festa, um encontro diferente, por que não deixar a criança comer (aqui estou pensando em crianças maiores de 2 anos, ok?), em quantidades moderadas? O que não é bacana, é por exemplo, foi aniversário da criança, sobrou uma enorme quantidade de docinhos e bolos e, enquanto tem na geladeira, essa criança e a família comerem…nessa situação, a melhor coisa é: peça/faça em menor quantidade e distribua aos convidados, entende?
 
Lembre-se sempre: a criança não precisa de açúcar para ser feliz…ela precisa é de amor e atenção! 
 
Bom, vou ficando por aqui…espero que eu tenha esclarecido também esse item!
 
Ah, fique à vontade para deixar um comentário ou até mesmo nos mandar um e-mail com sua dúvida, sugestão ou feedback!
 
Grande abraço e até a breve!  
 
Acompanhe a Danielle Andrade aqui no blog, quinzenalmente nas terças-feiras.
Veja mais:
                 

 

Deixe seu comentário

You must be logged in to post a comment.

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.